Quando Contratar o Primeiro Funcionário

Quando Contratar o Primeiro Funcionário da Minha Agência Digital?

Muitos donos de agência chegam até mim e falam “Fábio, quando contratar o primeiro funcionário para minha agência digital?”. Por ser uma dúvida recorrente e muito pertinente, resolvei separar algumas dicas para ajudar nessa escolha certa no momento certo.

Vamos lá?

Quando contratar o primeiro funcionário?

Para entender quando contratar o primeiro funcionário da sua agência, é preciso analisar os dois lados envolvidos nessa questão, sendo eles financeiro e emocional. Etenda um pouco de cada um e porque são tão importantes:

1. Lado financeiro

Este é o lado mais importante, o financeiro.  Antes de tudo, você precisa conhecer os números da sua agência, ou seja, qual seu faturamento, qual o gasto real com dispesas, seu próprio salário, entre outros custos. Ao verificar isso, é preciso entender se há uma certa margem que te permite contratar ou não outra pessoa.

O mais seguro a partir disso é entender que tipo de pessoa você vai contratar, porque os preços variam.  Um estagiário, por exemplo, tem um tempo de produção menor, demanda um investimento em aprendizado, mas acaba tendo um custo menor para a empresa. Por isso, pesquise o mercado da sua região para oferecer um valor dentro do esperado, para que o estagiário tenha um trabalho digno e queira continuar a trabalhar com você futuramente.

Agora, se você quiser contratar uma pessoa efetiva em regime CLT, tenha em mente que não dá para contratar um profissional altamente qualificado logo de cara e colocar o seu próprio salário em risco. Você é um ativo da empresa e seu salário precisa estar contemplado, caso contrário, se esse custo não for previsto dentro dos gastos, as chances de dar errado logo no início são grandes.

Portanto, o indicado é que você comece por um estagiário caso ele seja uma maneira de te ajudar a escalar a empresa para conseguir novos clientes. Uma mão-de-obra mais qualificada só é indicada no início caso você já tenha um contrato grande fechado e precise de alguém com conhecimento e habilidade um pouco maior. Até porque, o regime CLT inclui, além do salário, impostos que são direito do contratado, como férias, 13º, entre outros.

Quando contratar o primeiro funcionário, então, faça uma previsão de quanto você vai receber ao longo do ano e qual será o custo dessa mão-de-obra no mesmo período. Você tem contratos que permitem receita recorrente para seu negócio? Se a resposta for sim, então pode ser um bom momento. Digo que pode, porque é preciso analisar o segundo lado antes de começar a contratar.

Dica:

Um modelo muito usado hoje no mercado é o contrato freelancer, que te permite contratar pessoas mais experientes e você paga apenas por X horas trabalhadas junto a você, sem vínculo empregatício, como permitido na Lei Trabalhista.

2. Lado emocional

O lado emocional nada mais é do que você ter o espaço mental para conseguir delegar as tarefas.

Ah, mas não é só mandar as pessoas fazerem e pronto, Fábio? 

Não e eu te conto porque.

A primeira coisa que você precisa ter em mente aqui, quando está começando e atuando como “eugência”, ou seja, trabalhando sozinho pela sua empresa, é que isso precisa ser temporário. Não há a possibilidade de crescer sem pessoas ao seu lado, até porque haverá um aumento de demandas, de clientes e você precisará de especialistas em cada área para entregar um resultado de qualidade.

A partir disso, já é possível ir se libertando do medo e se preparando para delegar, o que nos leva a outro ponto importante: você deve se libertar do medo de que terá uma pessoa que não fará alguma coisa da mesma forma que você.

Mas como assim, Fábio? Estou contratando alguém para me ajudar, não fazer tudo diferente. 

Entenda que, por menor ou maior que seja a tarefa, ela não será feita da mesma maneira que você faria, pelo simples fato de que vocês não são a mesma pessoa. Há outras variáveis, conceitos e estilos que interferem na maneira de fazer, o que pode te frustrar e te levar a mandar esse funcionário embora.

Por isso delegar é tão importante, porque, se isso acontecer, provavelmente, o erro não foi dele e sim seu. Talvez você não tenha feito as especificações suficientes no momento da delegação. Mas não se culpe, fomos ensinados assim. Durante toda a nossa vida, não aprendemos a delegar e sim a executar tarefas. Por isso digo que é essencial que os pais e as instituições ensinem as crianças a delegar e receber tarefas de maneira organizada.

Mas nada que você não consiga resolver. Procure informações, treinamentos e livros. Eu mesmo li uma obra que pode te ajudar muito no processo de delegação chamada “O Poder de Delegar – Aumente Sua Eficiência e Melhore a Sua Vida Pessoal e Profissional”, de Donna M. Genett.

Dica:

Tenha processos claros! Não adianta saber delegar sem uma organização processual. Seu funcionário precisa seguir processos bem feitos para que tudo seja feito da maneira como deve e garantir o resultado esperado.

Se você ainda não tem processos prontos, grave ou transcreva tudo que você faz, passo a passo. Assim, o funcionário terá acesso a esse material quando entrar e terá mais faciliade de trabalhar. Isso evita gaps e otimiza o tempo de execução, já que ele não terá que ficar perguntando sobre tudo o tempo todo.

Espero que tenha compreendido quando contratar o primeiro funcionário! Se tiver mais dúvidas sobre o assunto, deixe seu comentário aqui embaixo e acompanhe mais temas como este aqui no blog da Agência 10x.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

SAIBA COMO FAZER SUA AGÊNCIA DIGITAL VENDER MAIS
DIGITE SEU E-MAIL E BAIXE GRATUITAMENTE